O Segredo da Felicidade!

Por: Julio Correia Neto | 30 de junho de 2015

Será que é difícil ser feliz? Muitos dizem que sim. Mas um dos segredos da felicidade está em viver na SIMPLICIDADE. Mas somos empurrados para o lado oposto, ou seja, viver no complexo. E o que engloba esta palavra tão bonita? Por exemplo:

  • Ter desapego de coisas e pessoas
  • Ter temperança
  • Ter contato com a natureza e os animais
  • Possuir desprendimento, ser livre, fazer-se livre
  • Viver com tranquilidade
  • Sermos amorosos
  • Doar e Receber
  • Compartilhar de coração
  • Respeitar a si próprio

Você possui tais valores em sua vida? Ou será que:

  • Vive correndo atrás de algo que não sabe bem o que é e para que servirá (bens, muito dinheiro, beleza externa, status, poder)
  • É vaidoso, egoísta, individualista, soberbo, materialista
  • Vive com raiva, agressivo, ansioso, precipitado
  • Está repleto de sentimentos de mágoa, ressentimento e ódio armazenados dentro de você

Em outros artigos salientei por diversas vezes que somos os causadores de nossas próprias dores (incluindo doenças) ou geradores de nossas alegrias. Temos livre arbítrio para escolher nossos caminhos. É verdade que cada um de nós tem o seu tempo, a sua hora de despertar para a verdade, em linha com o propósito de vida divino residente dentro de cada um.

Mas, não nos conformamos por alguém ser bilionário e/ou famoso e nós sermos simples mortais. Dinheiro e fama não significa ser feliz. Aqui reside um grande engano. Conheço diversas pessoas endinheiradas que são extremamente infelizes, depressivas, vivendo a base de remédios. A mídia exemplifica diversos exemplos: basta querermos entender. Mas, geralmente, nos bloqueamos pelo julgamento, pela crítica, perdendo a oportunidade do aprendizado pelo vivencial de terceiros.

Eu posso compartilhar minha experiência própria:

Fui educado com uma série de dogmas e crenças de que poder, status, dinheiro são coisas muito importantes, aliado a fortes valores da Igreja. Descobri, ao longo dos anos, que conseguir tudo isso e não estar realizado consigo mesmo (família, fazer o que realmente gosta, trabalhar aonde realmente se sinta bem, estar aberto para os ensinamentos da vida) acaba anulando toda a conquista material, que é superficial, passageira

Quando aprendemos a deixar fluir, naturalmente, o universo trata de nos guiar pelos caminhos que nos tornarão realizados, felizes, vivendo uma vida de paz com você mesmo e com o mundo. Para tal, você precisa estar aberto, limpo de todas as crenças e energias negativas acumuladas dentro de você, no decorrer da trajetória. Precisa ter a coragem para isso. A mesma coragem (que é energia) utilizada para fazer o mal a alguém, magoar uma pessoa, por exemplo

Precisa aprender a estar vigilante quanto a sua mente, que busca deturpar e confundir o tempo todo (embora geralmente pensemos que está querendo nos ajudar). Quando menos conectados estivermos com nós mesmos mais vulneráveis estaremos às forças que nos limitam

Grande parte dos comportamentos, medos, inseguranças que carregamos são frutos de ‘bloqueios’ desenvolvidos, do tipo:

  • Não pode fazer isso ou aquilo
  • Não pode falar assim ou assado
  • Você tem que ser assim por que eu sonhei que você seria assim
  • Você tem que estar gostoso(a)
  • Você tem que ter um corpo escultural

Enfim: muito “VOCÊ TEM QUE” e “ASSIM QUE EU QUERO OU SONHEI QUE FOSSE“. E com isso, vamos nos afastando de nós mesmos, de nossa essência, de nosso propósito maior.

Nos guiamos muito pelo o que os outros querem ou esperam de nós e, com isso, ESQUECEMOS LITERALMENTE DE NÓS MESMOS. Engraçado não?

Nada disso tem graça, pois a vida, mais cedo ou mais tarde, cobrará a conta. Cobrou de mim, cobrará de cada um de vocês, de forma diversas.

Alguns meses atrás, gravei este vídeo, que agrego a este artigo, como forma complementar de reflexão:

A verdadeira felicidade está no SENTIR-SE LIVRE COM RESPONSABILIDADE E DISCIPLINA, RESPEITANDO-SE, PRIMEIRAMENTE, A SI MESMO. Quanto mais aberto ao BEM, ao AMOR você estiver, MAIS LUZ, MAIS ENERGIA POSITIVA receberá.

De Khalil Gilbran (O Profeta, A Alegria e a Tristeza):

Então, uma mulher disse: “Fala-nos da alegria e da tristeza.” E ele respondeu: “Vossa alegria é vossa tristeza desmascarada. E o mesmo poço que dá nascimento a vosso riso foi muitas vezes preenchido com vossas lágrimas. E como poderia não ser assim? Quanto mais profundamente a tristeza cavar suas garras em vosso ser, tanto mais alegria podereis conter. Não é a taça em que verteis vosso vinho a mesma que foi queimada no forno do oleiro? E não é a lira que acaricia vossas almas a própria madeira que foi entalhada à faca? Quando estiverdes alegres, olhai no fundo de vosso coração, e achareis que o que vos deu tristeza é aquilo mesmo que vos está dando alegria. E quando estiverdes tristes, olhai novamente no vosso coração e vereis que, na verdade, estais chorando por aquilo mesmo que constituiu vosso deleite. Alguns dentre vós dizeis: ‘A alegria é maior que a tristeza’, e outros dizem: ‘Não, a tristeza é maior.’ Eu, porém, vos digo que elas são inseparáveis. Vêm sempre juntas; e quando uma está sentada à vossa mesa, lembrai-vos de que a outra dorme em vossa cama. Em verdade, estais suspensos como os pratos de uma balança entre vossa tristeza e vossa alegria. É somente quando estais vazios que estais em equilíbrio. Quando o guarda do tesouro vos suspende para pesar seu ouro e sua prata, então deve a vossa alegria e a vossa tristeza subir ou descer.”

Deixe um comentário!